Documents of 20th-century Latin American and Latino Art

www.mfah.org Home

IcaadocsArchive

Document first page thumbnail
  • ICAA Record ID
    784687
    AUTHOR
    Gusmão, Clovis de
    TITLE
    [Letter] 1929 Jun. 21, Rio de Janeiro [to] Joaquim Inojosa
    NOTES

    Publicado posteriormente em:

    INOJOSA, J. O movimento modernista em Pernambuco. Rio de Janeiro: Tupy, [1968; 1969]. p.404-406

    IN
    O movimento modernista em Pernambuco. -- Rio de Janeiro : Tupy, [1968-69]. v. 2.
    DESCRIPTION
    p. 404-406
    LANGUAGES
    Portuguese
    TYPE AND GENRE
    Book/pamphlet article – Letters
    BIBLIOGRAPHIC CITATION

    GUSMÃO, Clóvis. [Letter] 1929 Jun. 21, Rio de Janeiro [to] Joaquim Inojosa. In: INOJOSA, Joaquim. O movimento modernista em Pernambuco. Rio de Janeiro: Tupy, [1968; 1969]. p.404-406

    GEOGRAPHIC DESCRIPTORS
Synopsis

Writer Clóvis Gusmão writes to Joaquim Inojosa about the Movimiento Antropofágico and takes the opportunity to clarify some parts of its agenda. Its principles include: the idea of establishing distance from European civilization by creating new moral codes; both law and religion should be based on “biological dignity;” as well as the “violence of the sexes.” Gusmão proposes the nationalization of the environment through innovative forms of art; contrary to a foreign aesthetic, and literary Modernism in Brazil, which in his judgment, had lost its footing. It also names the possibility of both a Brazilian economy and industry based on local products that would be tailored to existing primary materials and the tropical climate; this includes culture and, obviously, books. The author underscores the need for a more practical type of education that reflects the “anthropophagic mentality,” a national health service that decreases infant mortality, and a diverse agricultural system. With regard to transport, Gusmão affirms that “the highways are the vehicle for books, hygiene and civilization itself.”

Leia esta sinopse em português
Synopsis

O escritor Clóvis Gusmão escreve a Joaquim Inojosa divulgando o movimento antropofágico e esclarecendo pontos de seu programa. Entre seus princípios: a idéia de romper com a civilização européia, criando códigos próprios de moral, direito e religião, baseados em uma "dignidade biológica" e na "violência dos sexos". Propõe a nacionalização do ambiente, através de novas formas de arte. É contrário a uma estética estrangeira e também ao modernismo, que teria perdido sua oportunidade. Evidencia a possibilidade de uma economia e indústria brasileiras, baseadas em produtos locais, adequados à matéria prima e ao clima tropical, incluindo a produção cultural, como a de livros. Diz ser necessária uma educação mais prática que reflita uma "mentalidade antropofágica", assim como uma medicina própria que diminua a mortalidade infantil, e uma policultura agrícola. Sobre os transportes, afirma que "estrada é o veículo do livro, da higiene e da civilização".

Revert to English synopsis
Annotations

This document reveals the reach that anthropophagic ideas (originally a literary movement) had in the northeastern region of Brazil, especially in Recife (in the state of Pernambuco), the city where the group of writers and intellectuals came together. They included Joaquim Inojosa, Ascenso Ferreira, Austro-Costa, Joaquim Cardoso, Eudes Barros and Gilberto Freyre. The correspondence between Joaquim Inojosa and Clóvis Gusmão and poet Raul Bopp shows how close the intellectuals of various states in the country were; this can also be seen in the letters of Manuel Bandeira, another poet from Recife.

 

[For more on this topic, see on the ICAA digital archive: “Manifesto Antropófago” (doc. no. 771303 ) and “[Benjamin] Péret” (doc. no. 1110367), by Oswald de Andrade; as well as the texts by Oswaldo Costa, “A ‘descida’ antropophaga” (doc. no. 784397); and Plínio Salgado, “A língua tupy” (doc. no. 784419)].

Leia este comentário crítico em português
Annotations

O documento revela a propagação do ideário antropofágico no nordeste, em especial no Recife, Pernambuco, onde se forma um grupo de escritores e intelectuais engajados no modernismo. Entre eles, Joaquim Inojosa, Ascenso Ferreira, Austro-Costa, Joaquim Cardoso, Eudes Barros e Gilberto Freyre. A correspondência de Inojosa com Clóvis Gusmão e Raul Bopp evidencia a aproximação entre intelectuaias de diferentes estados brasileiros, que já vinha sendo praticada, visível em cartas de Manuel Bandeira.

 

b- Busca, construção e expressão de aspectos locais

b- Experiencia regional e renovação artística

Revert to English annotations
Researcher
Equipe Brasil: Marco Andrade
Team
FAPESP, Sao Paulo, Brazil
Location
Biblioteca do Instituto de Estudos Brasileiros da USP