Documents of 20th-century Latin American and Latino Art

www.mfah.org Home

IcaadocsArchive

Document first page thumbnail
Synopsis

In his essay, critic Sérgio Milliet analyzes the painting taking place in São Paulo at the end of the 1930s, with an eye toward two exhibitions: the first, at the II Salão de Maio and the other, at the Salão do Sindicato dos Artistas Plásticos (both in 1938). The visual expressions are worthy of note, although he laments the lack of an art museum in the city, which has sidelined significant efforts by the painters of the current generation in Brazil.” Milliet praises collective works (those of the FAP or the Familia Artística Paulista, the Núcleo Bernadelli and other groups of the kind), those which “determine the best moments of the nation’s visual arts,” which in his judgment reflect the “state of the spirit” of the 20th century: “contradictory, painful and joyful, materialistic and mystical, insolent and constructive.”

Leia esta sinopse em português
Synopsis

Neste ensaio, Sérgio Milliet analisa a pintura que se desenvolve em São Paulo no final da década de 1930, a partir de duas exposições coletivas em cartaz na época: o II Salão de Maio e o Salão do Sindicato dos Artistas Plásticos, ambos de 1938. O autor nota a importância da expressão pictórica do período e lamenta a ausência de um museu de arte moderna na cidade, a implicar a falta de registro do "esforço notável dos pintores da atual geração brasileira". Ressalta, daí, as manifestações coletivas (sem alusão direta, mas provavelmente pensando na Família Artística Paulista, no Núcleo Bernadelli e em outras agremiações de artistas) que "tentam fixar os melhores momentos das artes plásticas nacionais" e que, em sua opinião, refletem também o "estado de espírito" do século XX: "contraditório, doloroso e alegre, materialista e místico, desabusado e construtivo".

Revert to English synopsis
Annotations

For São Paulo writer Sérgio Milliet [da Costa e Silva] (1898–1966), an artwork was as much a real object as an ideal aspiration. Commenting on the artistic production of the 1930s, the author sees in his object the reflection of a generalized anarchy as well as a longing for “good,” and an ethical principle taking precedence over “beauty.”

 

Regarding the Salão de Maio, Milliet highlights the “social painting” of Lívio Abramo, Oswaldo Goeldi, and Lasar Segall; with reference to “ethnography and folklore,” he mentions the work of Alberto da Veiga Guignard, Orlando Teruz, Luiz Soares and Paulo Werneck; with regard to “religious spirit” he mentions Antonio Gomide; and finally, he identifies the paintings of Alfredo Volpi, Francisco Rebolo, Cícero Dias and the sculpture of Victor Brecheret as representing “the purest intention and achievement.”

 

Regarding the show of the Sindicato—an entity that did not represent any trend, but rather an organization of classes—Milliet highlights the works of Aldo Bonadei, Rebolo, Volpi, Waldemar da Costa, Clóvis Graciano and Joaquim Figueira, artists that worked “without any concessions whatsoever” and who [operated] in favor of “true art,” that “of the disinterested spirit.” 

Leia este comentário crítico em português
Annotations

Para Sérgio Milliet, a obra de arte contém tanto a constatação da realidade quanto a aspiração a um ideal. Ao comentar a produção artística brasileira da década de 1930, o autor enxerga em seu objeto um reflexo de realidade anárquica e uma aspiração ao "bem", como algo que contém, portanto, um princípio ético em destaque, em lugar do "belo".
A respeito do Salão de Maio, Milliet chama atenção para a "pintura social" de Lívio Abramo, Oswaldo Goeldi e Lasar Segall; para a "etnografia e o folclore" nos trabalhos de Alberto da Veiga Guignard, Orlando Teruz, Luiz Soares e Paulo Werneck; para o "espírito religioso" de Antonio Gomide; e para "toda pureza de intenção e realização" nas pinturas de Alfredo Volpi, Francisco Rebolo, Cícero Dias e na escultura de Victor Brecheret.
Sobre a mostra do Sindicato - entidade que não representaria a manifestação de uma tendência, mas uma organização de classes, na opinião do crítico -, Milliet destaca as obras de Aldo Bonadei, Rebolo, Volpi, Waldemar da Costa, Clóvis Graciano, Joaquim Figueira etc., artistas que trabalham "sem concessões em prol da arte verdadeira", ou seja, "desinteressada do espírito".

 

b- Busca, construção e expressão de aspectos locais

b- Modernismo: arte e ideário

Revert to English annotations
Researcher
Equipe Brasil: José Augusto Ribeiro
Team
FAPESP, Sao Paulo, Brazil
Location
Biblioteca do Instituto de Estudos Brasileiros - USP