Documents of 20th-century Latin American and Latino Art

www.mfah.org Home

IcaadocsArchive

Document first page thumbnail
  • ICAA Record ID
    1111244
    TITLE
    Entrevista - depoimento / Walter Zanini
    IN
    Arte : novos meios / multimeios. --- São Paulo, Brasil : Fundação Armando Álvares Penteado, 1985
    DESCRIPTION
    p. 123- 124
    LANGUAGES
    Portuguese
    TYPE AND GENRE
    Book/pamphlet article – Interviews
    BIBLIOGRAPHIC CITATION
    Zanini, Walter. "Entrevista - depoimento." In Arte: novos meios / multimeios, 123- 124. São Paulo, Brasil: Fundação Armando Álvares Penteado, 1985.
    TOPIC DESCRIPTORS
    GEOGRAPHIC DESCRIPTORS
Synopsis

In this interview, Professor Walter Zanini assesses his role supporting artistic expressions that make use of the new media during his tenure as director of the Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo (MAC-USP). Even during a period marked by authoritarianism and censorship at the hand of the military dictatorship (1964–85), in Zanini’s view, the museum was a place of freedom where experimental ideas that made use of new media were able to make an impact. In this long interview, he recounts the beginnings of video art in Brazil in 1974 with the advent of Gerald Minkoff, Jean Otth, and Fred Forest participating in the space devised by Czech philosopher Vilém Flusser for the 1973 São Paulo Biennial. Zanini adds that centers were created in São Paulo and Rio de Janeiro for an event organized by the University of Pennsylvania. Unfortunately, only the group from Rio was able to produce videos for the show; the São Paulo-based group was not able to carry out projects of this sort until MAC-USP managed to acquire equipment on an ad hoc basis. Zanini speaks of the events organized during his tenure at the museum and the artists who took part in video and multimedia projects. Despite the scant resources available, he believed that some of the results were quite pleasing. In the oppressive climate of Brazil in the seventies, the new media constituted a cultural strategy. He harshly criticizes backward-looking postmodern art that looks to painting and sculpture, illustrating the paradox of a post-industrial society that belittles the importance of the information media at the service of creative culture. In Zanini’s view, MAC-USP was a space and forum that operated alongside venues with a more traditional and contemplative approach to art. The museum came to be known for its irreverent and aggressive style and openness to new experiences that gave rise to an art of crisis, with happenings and exhibitions geared to collective and anonymous expression. Zanini believes it will be difficult to reconstruct the history of the museum during his tenure since neither critics nor journalists discussed the challenging proposals put forth by the museum at that time.

Leia esta sinopse em português
Synopsis

Walter Zanini declara, em entrevista, seu papel de estimulador das manifestações praticadas com novos meios, durante a época em que esteve na condição de diretor do Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo. Conta que o museu era um espaço de liberdade, em tempo de autoritarismo e censura, e que experimentações com novos meios marcaram a expressão daqueles anos. Relata o início da vídeo arte no Brasil, em 1974, após a vinda de Gerald Minkoff, Jean Otth e Fred Forest para espaço planejado por Vilém Flusser na Bienal de São Paulo de 1973. Foram criados núcleos em São Paulo e no Rio de Janeiro para participar de evento na Universidade de Pensilvania, mas só o nucleo carioca conseguiu realizar vídeos para a mostra, enquanto o grupo de São Paulo só conseguiu realizar projetos mais tarde, após a aquisição de equipamento pelo museu. Zanini cita eventos organizados e os artistas que atuaram em vídeo e processos multimídia, reconhecendo tanto a precariedade de recursos, quanto resultados gratificantes. Considerando a relação do clima de opressão dos anos 1970, lembra que a os novos media se tornaram uma estratégia cultural dos artistas da d´cada. Refere-se à retro-arte do pós-modernismo, e à volta do interesse pela pintura e escultura, e o paradoxo da sociedade pós-industrial subestimar meios de informação a serviço da cultura criadora. Declara que o museu criou um espaço-fórum ao lado das áreas contemplativas tradicionais, e que ficou conhecido pelo estilo irreverente, agressivo, aberto às experiências. Para o crítico, fazia-se arte de crise, com happenings e mostras voltadas ao coletivo e à expressão anônima. Acredita que será difícil reconstituir a história do museu na época, pois os críticos e jornalistas não entenderam e não comentaram as propostas desafiadoras da instituição.

Revert to English synopsis
Annotations

Critic, curator, and art historian Walter Zanini (1925–2013) was the first director of the Museu de Arte Contemporânea (a part of the USP). From that post, which he held from 1963 to 1978, he encouraged the production of emerging artists and supported marginalized forms of artistic expression, from technological and conceptual explorations to multimedia works that made use of visual poetics. Zanini was also one of the curators of the first Bienal de São Paulo (1951) and a professor at the Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (ECA-USP).

 

In this interview, Zanini assesses his work as director of MAC-USP. Daisy Peccinini was instrumental to the selection of this interview for publication in the anthology Arte: novos meios/multimeios released in conjunction with a show at the Museu de Arte Brasileira de la FAAP (Fundação Armando Álvares Penteado) in 1985.

Leia este comentário crítico em português
Annotations

Zanini realiza um primeiro balanço da contribuição dada durante sua gestão como diretor do Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo. Foi colhido por Daisy Peccinini especialmente para publicação na antologia de textos Arte: novos meios/multimeios, organizada juntamente com uma exposição no Museu de Arte Brasileira da Faculdade Armando Álvares Penteado, em 1985. O historiador e crítico de arte Walter Zanini, professor da Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo, foi diretor do Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo desde sua fundação, em 1963, até 1978, exercendo papel fundamental no incentivo à produção experimental próxima à arte conceitual e ao uso dos multimeios pelas poéticas visuais.

 

k- Arte acontecimento

k- Atuação curatorial

k- Nova função do museu como espaço experimental

l- vídeo independente

Revert to English annotations
Researcher
Marco Andrade
Team
FAPESP, Sao Paulo, Brazil
Credit
Walter Zanini, 1985. Reproduzido com o consentimiento de Neusa Boari Zanini, São Paulo, BR
Location
Serviço de Biblioteca e Documentação ECA/USP