Documents of 20th-century Latin American and Latino Art

www.mfah.org Home

IcaadocsArchive

Document first page thumbnail
  • ICAA Record ID
    1111104
    TITLE
    Outr(a)idade do mundo / Lucia Santaella
    IN
    Folha de S. Paulo : Folhetim (São Paulo, Brasil). -- Out. 12, 1986
    DESCRIPTION
    p. 8- 9 : ill.
    LANGUAGES
    Portuguese
    TYPE AND GENRE
    Newspaper article – Essays
    BIBLIOGRAPHIC CITATION
    Santaella, Lucia. "Outr(a)idade do mundo." Folha de S. Paulo: Folhetim (São Paulo, Brazil), October 12, 1986, 8- 9.
Editorial Categories [?]
Synopsis

Lucia Santaella discusses the psychic resistance and barriers that human beings create—at an individual or institutional and social level—against every technical innovation. In her opinion, in the Postmodern (and/or postindustrial, posthistoric) era, the use of communications, computer science, and data transmission opens the doors to a new postmedia and intermedia phase. She notes that traditional art forms are still called “art,” not just because they yield a profit, but because by summoning up outdated values, they become more valuable. All of this suggests a nostalgic flashback to the primordial body. Quoting Charles Sanders Pierce, the author reiterates that the universe is expanding “in people’s heads;” despite the fact that the “expansion” is taking place outside the human head and body via multiple channels, such as artificial intelligence and the profusion of technical images. Both the heterogeneity and the decentralization of Postmodern discourse would seem to expose the relativity and insufficiency of their underpinnings. Postmodernity is incapable of accepting all-encompassing interpretations squeezed into strict categories; as languages grow, the biosphere fills with signs and becomes a noosphere.       

Leia esta sinopse em português
Synopsis

Lucia Santaella analisa as resistências e barreiras psíquicas que o ser humano, enquanto indivíduo, e as instituições, enquanto sociedade, criam contra cada nova técnica. Ela observa que na era pós-moderna, também chamada de pós-industrial e pós-histórica, o uso da comunicação, da informática e da telemática abre as portas para uma nova pós-midia-inter-mídia. Observa que formas tradicionais continuam sendo chamadas de arte não só por serem rentáveis mas por estarem baseadas em valores que, uma vez perdidos, passam a valer mais. Haveria a esperança nostálgica de retorno à plenitude de um corpo uniprimordial. Citando Peirce, a autora lembra que o universo está em expansão na cabeça das pessoas. Acrescenta, porém, que essa expansão agora se dá para fora da cabeça e do corpo humano, na multiplicidade de seus prolongamentos, como a inteligência artificial e a profusão multiforme de imagens técnicas. O heterogeneidade e o descentramento dos discursos pós-modernos estariam a apontar para a relatividade e incompletude que caracterizaria cada um deles. O mundo pós-moderno não aceitaria interpretação totalizadora unificada por categorias rígidas gravitando em torno de um centro. Quanto mais as linguagens crescem, mais a biosfera vai se povoando de signos e se transmutando em noosfera.

Revert to English synopsis
Annotations

Lucia Santaella Braga (b. 1944) is one of the leading art technology theoreticians and one of the most active figures in the field. She has written about ten books on the subject of her semiotic studies, based on the terminology and approach of Charles Sanders Pierce, in which she analyzes the creative and perceptive process involved in artistic events that are transformed or generated by new technological media. She is the senior professor for the postgraduate Comunicação e Semiótica program at the PUC-SP (Pontifícia Universidade Católica de São Paulo), where she coordinates postgraduate courses on Tecnologías da Inteligencia and Design Digital. Santaella is currently the director of Cimid (Centro de Investigação em Mídias Digitais). 

 

The title of this essay plays on the ambiguity of the term “Outr(a)idade,” which means otherness and a different age.

 

[As complementary reading on this subject, see the following articles in the ICAA digital archive: by Julio Plaza “Imagemega” (doc. no. 1111133); by Arlindo Machado “Rumo à imagem sintética” (doc. no. 1111102); and two other articles by Santaella: “As especulações holográficas de [José] Wagner” (doc. no. 1111027), and “A imagem pré-fotográfica, fotográfica, pós-fotográfica” (doc. no. 1110929)].

Leia este comentário crítico em português
Annotations

Uma das principais teóricas da arte tecnológica, Lucia Santaella é também das mais atuantes e influentes. Autora de quase uma dezena de livros sobre esse campo de estudo, usa os conceitos de Semiótica estabelecidos por Charles Sanders Peirce para analisar os processos de criação e percepção dos fatos artísticos gerados pelos novos meios. É professora titular no programa de Pós-Graduação em Comunicação e Semiótica da PUC-SP, coordena a Pós-graduação em Tecnologias da Inteligência e Design Digital e é diretora do Centro de Investigação em Mídias Digitais (Cimid).

 

Ver também:

SANTAELLA, Lúcia. As especulações holográficas de Wagner Garcia. In: Arte em São Paulo, revista número 12, de novembro de 1982. São Paulo

 

l- Arte e tecnologia digital. Poéticas digitais

l- Artes e tecnologias

Revert to English annotations
Researcher
Angelica de Moraes
Team
FAPESP, Sao Paulo, Brazil
Credit
Reproduzido com o consetimento de Maria Lucia Santaella Braga, São Paulo, Brasil
Location
Biblioteca do Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo