Documents of 20th-century Latin American and Latino Art

www.mfah.org Home

IcaadocsArchive

Document first page thumbnail
  • ICAA Record ID
    1110864
    TITLE
    [Letter] 1963 ago. 2, Fortaleza, Ceará [to] Lina Bo Bardi, Salvador, Bahia
    DESCRIPTION
    2p.
    LANGUAGES
    Portuguese
    TYPE AND GENRE
    Manuscrito – Letters
    BIBLIOGRAPHIC CITATION
    XAVIER, Lívio. [Carta] 1963 ago. 2, Fortaleza, Ceará [para] Lina Bo Bardi, Salvador, Bahia. Fortaleza, 2 ago. 1963. 2p. Manuscrito.
    TOPIC DESCRIPTORS
    GEOGRAPHIC DESCRIPTORS
Synopsis

This is a letter from Lívio Xavier—who, at the time, was the director of the MAUC (Museu de Arte da Universidade do Ceará)—to the architect Lina Bo Bardi, who was the director of both the MAMB (Museu de Arte Moderna da Bahia) and the MAP (Museu de Arte Popular), both of which were in the city of Salvador, in the state of Bahia. Xavier discusses details concerning his involvement in the opening exhibition at the MAP in 1963. He mentions the need for research in Crato, Arcati, and Juazeiro do Norte (all cities in his home state of Ceará). The goal would be to purchase objects for the exhibition and send the most representative pieces of the MAUC collection he directs, thus including modern artists of the Brazilian northeast in the event.

Leia esta sinopse em português
Synopsis

Carta de Lívio Xavier, então diretor do Museu de Arte da Universidade do Ceará (MAUC), à arquiteta Lina Bo Bardi, diretora do Museu de Arte Moderna da Bahia e do Museu de Arte Popular, na cidade de Salvador, estado da Bahia. Trata de questões relativas à sua colaboração na organização da exposição inaugural do Museu de Arte Popular, em 1963. Menciona pesquisas a serem realizadas nas cidades nordestinas de Crato, Arcati, Juazeiro do Norte etc, com o intuito de comprar objetos para a exposição, o envio de peças do acervo do MAUC e a integração de artistas modernos nordestinos à referida mostra.

Revert to English synopsis
Annotations

The MAP (Museu de Arte Popular) opened in the city of Salvador, in the state of Bahia, in 1963 with an exhibition called Civilização do Nordeste [see the ICAA digital archive (doc. no. 1110868)] organized by the Italian architect Lina Bo Bardi (née, Achillina Bo, 1914–92) assisted by Lívio Xavier who was, at the time, the director of the MAUC (Museu de Arte da Universidade do Ceará). The architect, editor, and intellectual lived in Salvador from 1959 to 1964, during which time she was the director of both the MAMB and the MAP. Both museums were built in the Solar do Unhão (1963), a seventeenth-century complex that had been restored under her supervision. Driven by her genuine interest in the preservation of the material culture of that part of northeastern Brazil, she created the institutions that seek to preserve the best of the country’s traditional handcrafts. This was her sphere of interest in Bahia and the MAMB, which steadily expanded after the Bahia exhibition at the V Bienal de São Paulo in 1959.   

 

[Regarding the Civilização do Nordeste exhibition, see in the ICAA digital archive the articles by Abelardo da Hora (untitled) [“No processo da revolução brasileira (…)”] (doc. no. 1111149); and the Italian review by Bruno Zevi “L’arte dei poveri fa paura ai generali” [The art of the poor terrifies the Generals] (doc. no. 1110904)].

Leia este comentário crítico em português
Annotations

O Museu de Arte Popular (MAP) foi inaugurado na cidade de Salvador, estado da Bahia em 1963, com a realização da exposição "Civilização do Nordeste", organizada pela arquiteta italiana Lina Bo Bardi em colaboração com Lívio Xavier, então diretor do Museu de Arte da Universidade do Ceará (MAUC). A arquiteta viveu nessa cidade de 1959 a 1964, período em que dirigiu o Museu de Arte Moderna da Bahia e o Museu de Arte Popular da Bahia 1963, os dois museus foram instalados no Solar do Unhão, um conjunto arquitetônico do século XVII que havia sido restaurado sob supervisão de Lina Bo Bardi. Instituição destinada à preservação da cultura material da região Nordeste do Brasil, o Museu de Arte Popular surge como o resultado do interesse da arquiteta pela cultura popular brasileira, o que havia balizado sua gestão frente ao Museu de Arte Moderna da Bahia e a realização da mostra "Bahia", na V Bienal de São Paulo, em 1959.

 

Ver também:

ARTE popular. Diário de Notícias, Salvador, 5 nov. 1963. (Artigo de jornal).
BARDI, Lina. [Esta exposição desenvolve temas]. Salvador, [1960?]. Manuscrito.

 

b- Cultura popular e projeto político

d0- Artesanato e arte popular

e- Alianças, modelos de atuação e organização da cultura. Projetos públicos.

Revert to English annotations
Researcher
Equipe Brasil: Heloisa Espada
Team
FAPESP, Sao Paulo, Brazil
Location
Museu de Arte Moderna da Bahia