Documents of 20th-century Latin American and Latino Art

www.mfah.org Home

IcaadocsArchive

Document first page thumbnail
  • ICAA Record ID
    1110701
    TITLE
    Surge um escultor / José Valladares
    IN
    Diário de Notícias (Salvador). -- Mar. 20, 1949.
    LANGUAGES
    Portuguese
    TYPE AND GENRE
    Newspaper article – Essays
    BIBLIOGRAPHIC CITATION
    VALLADARES, José. Surge um escultor. Diário de Notícias, Salvador, 20 mar.1949.
    NAME DESCRIPTORS
Synopsis

In this critical analysis of Mário Cravo Jr.’s sculpture, José Valladares focuses on four aspects that he deems fundamental: (1) the expressive specificity of the material; (2) the dynamic construction based on lines, planes, and volume; (3) the ties to organic forms; (4) the implied psychic components. Valladares believes that Cravo Jr. has not fully mastered composition or the use of materials, nor has he wholly developed his style. The degree of naturalism he seeks in his works is undefined. Valladares also criticizes the psychic concerns that surface in his work. In Valladares’s opinion, the artist has not yet grasped the human content with which he works; the work is theatrical and overly inclined to grand effects.

Leia esta sinopse em português
Synopsis

O crítico José Valladares analisa a obra do artista Mário Cravo Jr. a partir de quatro aspectos que, segundo ele, fundamentam a escultura: 1. as particularidades expressivas do material; 2. a construção de uma composição dinâmica por meio de linhas, planos e massas; 3. a relação da obra com formas orgânicas; 4. os valores psíquicos que a constituem. Considera que Mário Cravo Jr. domina a composição e o trabalho com materiais variados. Afirma que artista ainda não atingiu um estilo próprio e o grau de naturalismo de sua obra é indefinido. Critica os aspectos psíquicos da obra de Cravo, afirmando que muitas vezes ele não compreende o conteúdo humano com o qual trabalha. Segundo Valladares, sua obra é teatral e excessivamente inclinada a efeitos grandiosos.

Revert to English synopsis
Annotations

This text analyzes the incipient sculptural work of Mário Cravo Jr. In the late forties and early fifties, Cravo Jr.—along with Carlos Bastos and Genaro de Carvalho—was a key figure in the “modernist” movement that was renewing the visual arts in the artist’s home state of Bahia.

 

Journalist and critic José [Antonio do Prado] Valladares (1917–59) had a background in museology. He was the director of the Museu do Estado da Bahia (1939–43) and gave classes in aesthetics at the Universidade da Bahia, founded under that name in 1946 and later renamed the Universidade Federal da Bahia (UFBa). He also wrote reviews in the local press. In some cases, he was the first critic to discuss the work of young artists who were introducing Modern art to the region.

 

[For additional texts on Mário Cravo Jr., see in the ICAA digital archive by Flávio L. Motta “As esculturas de plástico de Mario Cravo Junior” (doc. no. 1111368); by José Geraldo Vieira “Mário Cravo” (doc. no. 1110465); by Maria Leontina Franco “Mário Cravo” (doc. no. 1110698); and by Mário Cravo Jr. himself “Problemática da arte moderna” (doc. no. 1110467)].

 

[For other texts by José Valladares, see also in the ICAA digital archive “Arte moderna na Bahia” (doc. no. 1110845); “Movimento artístico bahiano” (doc. no. 1110700); “O salão bahiano I: visitantes e instalação” (doc. no. 1110847); “O anjo azul”  (doc. no. 1110844); “Realismo e abstracionismo” (doc. no. 1110848); “A exposição de Carlos Bastos” (doc. no. 1110695); and on Poty Lazzarotto, “As gravuras de Poty” (doc. no. 1110846)]. 

Leia este comentário crítico em português
Annotations

O texto analisa o início da trajeto artístico do escultor baiano Mário Cravo Jr.. Nos anos quarenta e cinqüenta, Cravo Jr. foi um dos responsáveis pelo movimento de renovação de caráter modernista das artes plásticas da Bahia, ao lado de artistas como Carlos Bastos e Genaro de Carvalho. O crítico José Valladares desempenhou um papel de destaque nesse contexto. Estudioso de museologia, foi diretor do Museu do Estado da Bahia, além de atuar como crítico de arte na imprensa baiana, sendo muitas vezes o primeiro a analisar a obra de jovens artistas, como faz nesse artigo.

 

Ver também:

CRAVO, Mário. Problemática da arte moderna. São Paulo, Habitat n. 53, mar., abr. 1959.
VALLADARES, José. Movimento artístico bahiano. Salvador, Diário de Notícias, 15 março 1953.
VIEIRA, José Geraldo. Mário Cravo. São Paulo, Habitat n. 53, mar., abr. 1959.
FRANCO, Maria Leontina. Mário Cravo. Salvador, Diário de Notícias, 10 set. 1950.

 

b- Agrupamentos e movimentos de renovação artística (década de 30 e40)

Revert to English annotations
Researcher
Equipe Brasil: Heloisa Espada
Team
FAPESP, Sao Paulo, Brazil
Location
Fundação Biblioteca Nacional