Documents of 20th-century Latin American and Latino Art

www.mfah.org Home

IcaadocsArchive

Document first page thumbnail
  • ICAA Record ID
    1110394
    TITLE
    Surrealismo
    NOTES

    Publicado originalmente em:

    Cultura, São Paulo, ano 1, v.3, n.5, p.9, fev./mar. 1939.

    IMPRINT
    Florianópolis, Brasil : UFSC, dez. 1982
    DESCRIPTION
    3p.
    LANGUAGES
    Portuguese
    TYPE AND GENRE
    Journal article – Interviews
    BIBLIOGRAPHIC CITATION
    CARVALHO, Flávio de; BRETON, André. Surrealismo. Modernismo. Travessia. Revista de Literatura Brasileira do Curso de Pós-Graduação em Literatura Brasileira - UFSC, Florianópolis, v.3, n.5, p.60-62, dez. 1982.
    TOPIC DESCRIPTORS
    ADDITIONAL AUTHORS
Synopsis

This interview by Brazilian artist Flávio de Carvalho with French poet André Breton discusses the assumptions, historical precedents, various strains, and main players in the Surrealist movement that, in a certain way, Breton led. At Carvalho’s request, Breton expresses his opinion of black art, the creative work of children and mental patients, and the connection between that production and modern art. In Breton’s view, Surrealism is utterly “automatic”; it is born of the unconscious and, as such, provides significant material for psychoanalytic study. He points out how revolutionary Surrealism was when it emerged, though he asserts that poetry must never engage in social protest or act as political propaganda. Breton voices a staunch position against abstraction.

Leia esta sinopse em português
Synopsis

Entrevista concedida pelo poeta francês André Breton ao artista brasileiro Flávio de Carvalho. O documento introduz os pressupostos, os precedentes históricos, as vertentes e os principais nomes que compõem o movimento surrealista. A pedido de Carvalho, Breton fala sobre a arte negra, a produção artística de pacientes psiquiátricos e de crianças, tecendo considerações sobre a relação entre essas obras e a arte moderna. De acordo com o autor francês, o surrealismo é uma arte puramente automática, proveniente do inconsciente, que fornece um importante material de estudo para a psicanálise. Destaca o caráter revolucionário do surrealismo, mas enfatiza que a poesia deve se manter independente da denúncia social e da propaganda política. Posiciona-se contra a abstração.

Revert to English synopsis
Annotations

This document attests to Flávio de Carvalho’s interest in André Breton’s poetic, philosophical, and political theories especially in relation to the art of non-Western peoples, mental patients, and children. In the early thirties, the Brazilian artist organized shows of art by children and mental patients at the Clube dos Artistas Modernos (CAM)—the venue where he also presented Bailado do deus morto, a theatrical performance with black actors (at a time when racism was entrenched) that combined the modern and the primitive. In a Brazilian art scene dominated by figurative and nationalist work, de Carvalho was one of the few figures versed in Surrealism and in Dada; his affinity with those movements is evident in transgressive projects like Experiência no. 2. In that work from 1930, de Carvalho, wearing a hat on his head, marched in the opposite direction from a Catholic procession making its way through downtown São Paulo. By disrupting the reigning social and moral order, de Carvalho attempted to investigate psychological reactions and the behavior of the masses in extreme situations.

 

[For further reading, see in the ICAA digital archive Mário Pedrosa’s “Crise ou revolução do objeto: homenagem a André Breton” (doc. no. 1110434)].

Leia este comentário crítico em português
Annotations

O documento evidencia o interesse de Flávio de Carvalho pelas teorias de André Breton a respeito da arte de povos não ocidentais, de pacientes psiquiátricos e de crianças. No início da década de trinta, o artista promove exposições de arte infantil e de pacientes psiquiátricos no Clube dos Artistas Modernos, onde apresenta o Bailado do deus morto, espetáculo teatral encenado por atores negros, no qual o artista expunha combinava elementos modernos e primitivos. No âmbito d"ileiro, de caráter predominantemente figurativo e nacionalista, Flávio de Carvalho é um dos poucos artistas a apresentar afinidades com o dadaísmo e o surrealismo. Destaca-se, sobretudo, por ações transgressoras como a Experiência n.2, realizada em 1930, quando desfilou de chapéu, na contramão de uma procissão católica que ocorria no centro da cidade de São Paulo. Sua intenção, ao desestabilizar a ordem social e moral vigente, era investigar a reação psicológica e o comportamento das massas em situações limítrofes.

Ver também: CARVALHO, Flávio de. A arte na Inglaterra. Diário de S. Paulo, São Paulo, 24 fev. 1935; CARVALHO, Flávio de. A nova forma poética. Uma conversa com Tristan Tzara. Diário de S. Paulo, São Paulo, 27 ago. 1935; CARVALHO, Flávio de. O voluptuoso e o inesquecível. Diário de S. Paulo, São Paulo, 31 ago. 1935; CARVALHO, Flávio de. Ciência e lirismo. Diário de S. Paulo, São Paulo, 10 set. 1935; CARVALHO, Flávio de. A única arte que presta é a arte anormal. Diário de S. Paulo, São Paulo, 24 set. 1936; CARVALHO, Flávio de. A epopéia do Teatro da Experiência e o Bailado do deus morto. RASM - Revista Anual do Salão de Maio, São Paulo, maio 1939.

f- Arte das crianças

f- Expressão dos "alienados"

f- Revolução estética

Revert to English annotations
Researcher
Equipe Brasil: Heloisa Espada
Team
FAPESP, Sao Paulo, Brazil
Credit
© 2015 Artists Rights Society (ARS), New York / ADAGP, Paris
Location
Projeto "Arte no Brasil: textos críticos do século XX"