Documents of 20th-century Latin American and Latino Art

www.mfah.org Home

IcaadocsArchive

Document first page thumbnail
  • ICAA Record ID
    1085788
    TITLE
    Roteiro e coerência : passos de uma obra / António Bento
    NOTES

    Publicado originalmente em:

    Catálogo da Exposição de Antônio Bandeira. Rio de Janeiro: [MAM-RJ], 1969.

    IN
    Abstracionismo informal e geométrico - A vanguarda brasileira nos anos cinqüenta. -- Rio de Janeiro : Funarte, 1987.
    DESCRIPTION
    p. 253-259
    LANGUAGES
    Portuguese
    TYPE AND GENRE
    Book/pamphlet article – Catalogs
    BIBLIOGRAPHIC CITATION
    BENTO, Antônio. Roteiro e coerência: passos de uma obra. In: COCCHIARALE, Fernando; GEIGER, Anna Bella. Abstracionismo informal e geométrico - A vanguarda brasileira nos anos cinqüenta. Rio de Janeiro: Funarte, 1987. p.253-259.
    NAME DESCRIPTORS
    GEOGRAPHIC DESCRIPTORS
Editorial Categories [?]
Synopsis

Art critic Antônio Bento identifies painter Antônio Bandeira as the “most important young artist of the School of Paris” during the post-World War II era, when the Brazilian artist participated in one of the pioneering groups of Informalism (1949): the Banbryols, along with Camille Bryen and Wols. Together they participated in the show La Rose des Vents at the Galerie des Deux Îles (1948), which was a precursor of the Tachism movement in Europe. In this essay, Bento juxtaposes the Banbryols avant-garde with concrete art, which was then active in Brazil, a trend that Bento regarded as having been behind the times “since before 1950.” While geometric abstraction was “informed by reason” through pure forms, the Tachist artists sought an “anti-form,” which could express “new” material and chromatic sensations “through the paint’s contingency spilled on the canvas.” This “decomposition” of form was related to “the atomic bomb’s disintegration of matter,” illustrating why formal abstraction is also known as “nuclear art.” In his opinion, the instinctual impulses of this type of painting in which the subconscious takes precedence over the precise processes of creation make Tachism “representative of the anxiety that gripped the world during the post-World War II era.”

Leia esta sinopse em português
Synopsis

O crítico de arte Antônio Bento identifica o pintor Antônio Bandeira como o "mais importante artista jovem da Escola de Paris" do período pós-II Guerra Mundial, quando o pintor brasileiro formou na capital francesa, em 1949, um dos grupos considerados pioneiros do abstracionismo informal, o Banbryols, em companhia de Camille Bryen e Wols. Juntos, os três participaram da mostra La Rose des Vents, em 1948, na Galérie des Deux Ilés, tida, também, como um marco precursor da corrente tachista na Europa.
Neste ensaio, Bento opõe a vanguarda de Paris de meados do século passado, representada aqui pelos membros do Banbryols, à arte concreta que se difundia ao mesmo tempo no Brasil, porém considerada ultrapassada pelo autor, "desde antes de 1950". Segundo seu raciocínio, ao passo que a abstração geométrica "se ordenava pela razão" a partir de formas puras, os tachistas especulavam uma "antiforma", uma "outra forma" que também expressasse sentimentos "novos" por meio da cor e da matéria, "ao acaso das tintas atiradas sobre a tela".
Esta "decomposição" da forma se relaciona historicamente, na opinão do crítico, com a "desintegração da matéria feita pela bomba atômica", daí o fato de a abstração informal também ser chamada de "arte nuclear". A explosão de impulsos instintivos na realização da pintura e a primazia do subconsciente sobre os processos matemáticos de racionalização caracterizariam a pintura tachista como "representativa da angústia que se apoderou do mundo após a Segunda Guerra". Quase vinte anos antes da publicação deste ensaio, Antônio Bento já havia comprado sua briga com entusiastas da arte concreta ao defender a fidelidade "anti-racionalista" de, entre outros, Antonio Bandeira

Revert to English synopsis
Annotations

This is a text from the catalogue for the Antônio Bandeira retrospective that took place at the MAM-RJ (Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro) in October and November 1969, two years after the death of the artist. The exhibition presented an ample view of his work. Bandeira was born in Fortaleza (in the state of Ceará) in 1922. Antônio Bento considered him one of the “principal representatives of informal abstraction, or Tachism, in Brazil.” The critic states that Bandeira considered painting a “mental act,” without methods or formulas, and thus an “anti-mathematical practice par excellence.”

Leia este comentário crítico em português
Annotations

Texto do catálogo da exposição retrospectiva de Antonio Bandeira, realizada no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro, entre outubro e novembro de 1969, dois anos após a morte do pintor. A mostra constituiu ampla revisão da obra de Bandeira, nascido em Fortaleza, no Ceará, em 1922, e considerado pelo crítico de arte Antônio Bento "o principal representante da abstração informal ou do Tachismo no Brasil". Bento comenta que para o artista, pintar é "ato mental", sem métodos ou fórmulas e, portanto, uma prática "antimatemática por excelência".

 

h- Contribuições de artistas brasileiros ao abstracionismo

h- Tachismo ou abstração informal

Revert to English annotations
Researcher
Equipe Brasil: José Augusto Ribeiro
Team
FAPESP, Sao Paulo, Brazil
Location
Biblioteca da Escola de Comunicações e Artes - ECA/USP