Documents of 20th-century Latin American and Latino Art

www.mfah.org Home

IcaadocsArchive

Document first page thumbnail
  • ICAA Record ID
    1085648
    TITLE
    Abstração ou figuração ou realismo?
    IMPRINT
    Rio de Janeiro, Brasil, 10 ago. 1957
    DESCRIPTION
    1p.
    LANGUAGES
    Portuguese
    TYPE AND GENRE
    Newspaper article – Crítica de arte
    BIBLIOGRAPHIC CITATION
    PEDROSA, Mário. Abstração ou figuração ou realismo? Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, 10 ago. 1957.
    GEOGRAPHIC DESCRIPTORS
Editorial Categories [?]
Synopsis

In this newspaper article Mário Pedrosa challenges the definition of “Abstract art” provided by the French avant-garde theoretician and artist Michel Seuphor in his Dictionnaire de la peinture abstraite (Paris: Hazan, 1957). According to the Brazilian art critic, Seuphor considers just one of the effects but not the essential cause of Abstraction when he labels as “abstract” every painting that does not identify “with an objective, constituent reality of our normal life.” Pedrosa thus agrees with the Italian art historian Lionello Venturi, who believes that “Abstraction” is the result of modern art’s search for a chromatic essentialism expressed in pure visual forms. When seen from that perspective, the specificity of this approach involves a refined aesthetic awareness that captures “expressive elements of line, color, and composition, regardless of the subject in question or a representation of nature or external reality.” 

Leia esta sinopse em português
Synopsis

Em artigo datado de 1957, Mário Pedrosa contesta a definição de arte abstrata do teórico e artista francês Michel Seuphor em seu Dictionnaire de la peinture abstraite (Paris: Hazan, 1957), editado na França, no mesmo ano. Para o crítico de arte brasileiro, Seuphor diagnostica um dos efeitos, mas não a causa do abstracionismo, quando diz ser abstrata toda a pintura em que não se identifica uma "realidade objetiva que constitua o meio normal de nossa vida" . E, nesse sentido, Pedrosa concorda com a argumentação do historiador italiano da arte Lionello Venturi, para quem a abstração é o resultado de uma busca da arte moderna pela cor e pela forma plástica puras. A especificidade desta vertente residiria, assim, na aguda sensibilização estética, a ponto de permitir a apreensão dos "elementos expressivos da linha, da cor, da composição, independentemente do assunto ou da representação da natureza ou da realidade externa".

Revert to English synopsis
Annotations

In this essay the critic Mário Pedrosa disputes the conventional view of figurative or abstract art (in terms of a work that illustrates, or not, an external reality), preferring an approach based on a perception of the intrinsic values of the work of art itself. From that perspective—which spans the concept of autonomous color proposed by the Fauvists to the Cubist decomposition of object and space—the further the artist is from natural referents, the closer he is to expressing the actual sensibility and personality projected via painting’s inherent means. Pedrosa quotes Lionello Venturi as follows: “Their quest for absolute objectivity led [modern artists] to absolute subjectivity.” By insisting that the subject or theme of a work of art is of secondary importance, Pedrosa claims that naturalist or socialist realism is in “a marked state of decline” since it is “supported solely by extra-artistic discipline and, therefore, by disgraceful intrigue.”  [As complementary reading, see the following essays by Mário Pedrosa in the ICAA digital archive: “L’architecture moderne au Brésil” (doc. no. 1086489); and “Arquitetura e crítica de arte” (doc. no. 1086553)].

Leia este comentário crítico em português
Annotations

O crítico Mário Pedrosa desloca, neste texto, a caracterização de figurativo ou abstrato, de acordo com a obra que ilustra ou não uma realidade exterior, para o problema da percepção de valores intrínsecos ao trabalho de arte. Nesse raciocínio, desde a autonomização das cores dos fauvistas, passando pela decomposição do objeto e do espaço pelos cubistas, quanto mais o artista se distancia dos referenciais da natureza, mais próximo está da expressão de sua sensibilidade e personalidade por meio exclusivo dos elementos constituintes de sua pintura. Nos termos de Lionello Venturi, aqui citado por Pedrosa: "À força de procurar a objetividade absoluta, [os artistas modernos] chegaram à subjetividade absoluta". E, como sinal de que o assunto ou tema de uma obra passava ao segundo plano em sua análise e fruição, o realismo naturalista ou socialista estava, naquele momento, em "franca decadência", "sustentado por mera disciplina extra-artística, e assim mesmo com muito encabulamento".

 

h- Realismo social versus abstração

h- Teoria e crítica sobre abstracionismo

Revert to English annotations
Researcher
Equipe Brasil: José Augusto Ribeiro
Team
FAPESP, Sao Paulo, Brazil
Credit
Jornal do Brasil, August 10, 1957, p. 6/ CPDoc JB
Location
Centro de Pesquisa e Documentação do Jornal do Brasil