Documents of 20th-century Latin American and Latino Art

www.mfah.org Home

IcaadocsArchive

Document first page thumbnail
  • ICAA Record ID
    1085281
    TITLE
    Ponto parágrafo na pintura brasileira
    IN
    Folha da Manhã (São Paulo, Brasil). -- Jan. 7, 1951
    DESCRIPTION
    p. 5 : ill.
    LANGUAGES
    Portuguese
    TYPE AND GENRE
    Newspaper article – notes
    BIBLIOGRAPHIC CITATION
    Cordeiro, Waldemar. "Ponto parágrafo na pintura brasileira." Folha da Manhã (São Paulo, Brazil), January 7, 1951, 5.
    NAME DESCRIPTORS
Synopsis

This text on the Fotoformas series created by Geraldo de Barros describes the inherent process of the “de-naturalization” of images proposed by the artist based on his photographic experiments. The author, Waldemar Cordeiro, states the proposal is veiled commentary on the appearance of things. He reveals geometric forms using windows; through super-imposing metal sheets he achieves “rhythmic rotating movements” that provoke “a new photographic emotion.” He believes this type of work represents a radical rupture with salon photography and its picturesque angles. Cordeiro later affirms that the series achieves historical importance because—along with this author of this text, and through the “grupo ruptura” that unites them—de Barros is participating in the renewal of the visual arts in Brazil in the 1950s through his photo-form proposal. In his judgment, this calls to mind the decadence of representational art and the regionalist tenor of the nation.

Leia esta sinopse em português
Synopsis

Nesse texto sobre a série Fotoformas, de Geraldo de Barros, Waldemar Cordeiro descreve o processo de "desnaturalização" da imagem vivenciado pelo artista por meio de experimentações fotográficas. Segundo o autor, num primeiro momento, o trabalho de Barros comenta a aparência das coisas. Em seguida, a partir de detalhes de janelas, passa a registrar formas geométricas. Com a sobreposição de chapas, cria "movimentos rotativos de ritmos" que resultam numa "nova emoção fotográfica". O autor considera essa produção como uma ruptura em relação à fotografia de salão de ângulos pitorescos. Além disso, afirma que o conjunto adquire importância histórica, pois, com ele, o artista participa através da fotografia do atual momento de renovação das artes visuais no Brasil que, de acordo com Cordeiro, é conseqüência da decadência da arte representativa de teor regionalista.

Revert to English synopsis
Annotations

This text is one of few that comments on the experimental photography of Geraldo de Barros (1923?98)—much of which was produced by super-imposing and/or dividing negatives—that was presented for the first time in the Fotoformas exhibition, organized in January 1951 by the MASP (Museu de Arte de São Paulo). The author and fellow radical Waldemar Cordeiro (1925?73) situates de Barros’s proposal at the center of the key conflict of that era: the debate between artists and critics that defended abstract art and those that pursued figurative art. Cordeiro’s observations on the unquestionable “rupture” represented by these innovative works connect fotoformas with the proposals of the “grupo ruptura”; both favor the power that images have to suggest rhythmic and kinetic sensations.

 

[As a complementary reading, see in the ICAA digital archive by the group members their “ruptura” manifesto (doc. no. 771349) and by Pietro Maria Bardi (untitled) [“Geraldo vê (…)”] (doc. no. 1083049)].

Leia este comentário crítico em português
Annotations

O texto é dos poucos comentários críticos sobre a obra fotográfica de Geraldo de Barros publicados durante a exposição Fotoformas, no Museu de Arte de São Paulo, em janeiro de 1951. Waldemar Cordeiro situa o trabalho de Barros no conflito entre artistas e críticos defensores do abstracionismo e adeptos do figurativismo. Observações sobre o caráter de ruptura e renovação das obras, bem como sobre a capacidade das imagens criarem sensações de movimento e ritmo, relacionam as Fotoformas com a produção do Grupo Ruptura, do qual participaram Geraldo de Barros e Waldemar Cordeiro.
Sobre o assunto, ver:
BARDI, P.M. [Geraldo vê]. São Paulo: Museu de Arte de São Paulo, 1951.
WIZNITZER, L. Poderá haver fotografia abstrata? Sim - responde o jovem artista brasileiro Geraldo de Barros em entrevista concedida a Letras e Artes. Letras e Artes, Rio de Janeiro, 10 ago. 1952.
CHAROUX, L. et. al. Manifesto Ruptura, 1952.

 

g- Contribuição de artistas ao projeto construtivo brasileiro

h- Abstração geométrica e arte concreta

h- Contribuições de artistas brasileiros ao abstracionismo

Revert to English annotations
Researcher
Heloisa Espada
Team
FAPESP, Sao Paulo, Brazil
Credit
© Waldermar Cordeiro Estate Private Archive, 2013
Location
Biblioteca Municipal Prestes Maia, São Paulo