Documents of 20th-century Latin American and Latino Art

www.mfah.org Home

IcaadocsArchive

Document first page thumbnail
  • ICAA Record ID
    1074892
    TITLE
    Brazil Builds
    NOTES

    Publicado originalmente como:

    ANDRADE, Mário de. Brazil Builds. Folha da Manhã, São Paulo, 23 mar. 1944.

    LANGUAGES
    Portuguese
    TYPE AND GENRE
    Book/pamphlet article – Essays
    BIBLIOGRAPHIC CITATION
    ANDRADE, Mário de. Brazil Builds. In: XAVIER, Alberto (Org.). Depoimento de uma geração - arquitetura moderna brasileira. São Paulo: Cosac & Naify, 2003. edição rev. ampl. p.177-181
Synopsis

Mário de Andrade begins this text by questioning the term “architecture” and its meaning. In his view, architectural laws obey both the laws of nature and the laws of humans that lead to arbitrary personal impulses. He establishes a difference between the dazzling aesthetic category of “the beautiful,” on the one hand, and the decorative or the ornamental, on the other, which, in his view, come after beauty. He also believes that a building’s functionality reflects human functionality such that—paraphrasing, though not mentioning, Swiss architecture Le Corbusier—“the home should be a habitation machine,” since beauty is intrinsic to man. The “good [modern] home” should, therefore, bring together functionality and beauty. While recognizing the importance of Ukrainian-born architect Gregori Warchavchik to modern Brazilian architecture, de Andrade credits Lúcio Costa with enacting the fundaments of the modern school in the country. The author suggests that experimentalism must be avoided in architecture since it tends to lead to “economic wastefulness.” He praises the book Brazil Builds, published by MoMA (New York: Museum of Modern Art, 1943) for demonstrating that the quality of Brazilian architecture is as high as North American and European architecture. The exhibition that occasioned that publication served to attenuate the inferiority complex suffered by Brazilian mestizos.

Leia esta sinopse em português
Synopsis

Mário de Andrade inicia o texto fazendo um questionamento sobre o termo arquitetura e seu significado. Entende que as leis da arquitetura obedecem às leis da natureza e às leis humanas, e por isso às vezes acabam resultando em caprichos pessoais. Diferencia a categoria estética deslumbrante de belo e pondera que os elementos decorativos e ornamentais sempre são pensados posteriormente à arquitetura. Considera que a funcionalidade de um edifício obedece à funcionalidade humana e, portanto, concorda que a casa deva ser uma máquina de morar, e que a beleza é necessidade intrínseca ao homem. A boa casa moderna deve ser uma fusão de funcionalidade e beleza. Embora considere a primazia de Gregori Warchavchik para a arquitetura moderna brasileira, afirma que foi Lúcio Costa que implementou de fato os princípios da escola moderna. Para o autor, o experimentalismo deve ser evitado na arquitetura, na medida em que envolve a possibilidade de desperdício econômico. Considera admirável o livro Brazil Builds, editado pelo Museu de Arte Moderna de Nova York, por mostrar que a arquitetura brasileira é tão boa como a norte americana e européia, e o efeito desta mostra, capaz de diminuir o complexo de inferioridade de mestiços existente no Brasil. Conclui que a mestiçagem estaria dentro da normalidade e que os brasileiros, não seriam piores nem melhores que outros povos e nações.

Revert to English synopsis
Annotations

The show Brazil Builds held at the New York Museum of Modern Art (MoMA) in 1943 sparked an enthusiastic response on the part of Mário de Andrade. The catalogue featured a text by Philip Goodwin and photographs by Kidder Smith. The show later traveled to a number of Brazilian cities. Both that show and the lauded Brazilian pavilion at the World’s Fair in New York in 1939 began to communicate the value of modern Brazilian architecture beyond the country’s borders. De Andrade uses the word “miscegenation” to describe the racial melting pot that gave shape to the Brazilian people. 

 

[For further reading, see in the ICAA digital archive the following texts by Mário de Andrade: “Prefácio interessantíssimo” (doc. no. 781273), “Amerique Latine” (doc. no. 807815), (untitled) [“Anita Malfatti é uma colorista...”] (doc. no. 1085102), “Assim falou o papa do futurismo: como Mário de Andrade defina a escola que chefia” (doc. no. 784366), “Carta aberta a Alberto de Oliveira” (doc. no. 784258), “Catálogo da exposição promovida pelo Ministério da Educação” (doc. no. 783296), “Decadencia da influencia franceza no Brasil” (doc. no. 1110806), “Do desenho” (doc. no. 1111411), “Esta paulista familia” (doc. no. 780722), “França: feuilles de route” (doc. no. 780937), “Fujita” (doc. no. 1110645), “O homem que se achou” (doc. no. 1110926), “Hugo Adami” (doc. no. 783916), “Ismael Nery: excertos de textos” (doc. no. 1110382), “Mangue” (doc. no. 1110480), “O movimento modernista” (doc. no. 781117), “Phantasias de um poeta” (doc. no. 781216), “Pintura em Minas” (doc. no. 1110459), “Primitivos” (doc. no. 781294), “O Salão” (doc. no. 784285), and “Serviço do Patrimônio Histórico e Artistico Nacional” (doc. no. 781826)].

Leia este comentário crítico em português
Annotations

A exposição Brazil Builds foi organizada em 1943 no Museu de Arte Moderna de Nova York, quando foi editado um livro com texto de Philip Goodwin e fotos de Kidder Smith, que é o alvo do comentário de Mário de Andrade. A exposição Brazil Builds circula depois em várias capitais brasileiras. Este evento, assim como o sucesso do pavilhão brasileiro da exposição de Nova York de 1942, constituem os primeiros momentos de divulgação e valorização internacional da arquitetura moderna brasileira.
É importante assinalar o termo mestiçagem, usado por Mario de andrade para caracterizar a miscigenação de raças no povo brasileiro.

b- Arquitetura moderna e urbanismo

g- Arquitetura moderna. Paisagismo

Revert to English annotations
Researcher
Equipe Brasil: Marco Andrade
Team
FAPESP, Sao Paulo, Brazil
Credit
Courtesy of the family of Mário de Andrade, São Paulo, Brasil.
Location
Acervo Pessoal Ana Maria Belluzzo