Documents of 20th-century Latin American and Latino Art

www.mfah.org Home

IcaadocsArchive

Document first page thumbnail
Categorías Editoriales [?]
Resumen

El resumen de este documento será subido próximamente.

 

Leia esta sinopse em português
Resumen

O texto analisa, através da obra do pintor de origem lituana Lasar Segall, a forma como o africanismo passou a compor a identidade do subcontinente latino-americano a partir do modernismo. Schwartz apresenta o contexto do espaço literário e artístico da obra de Segall, refletindo sobre a presença da temática negra na literatura e artes visuais latino-americanas contemporâneas ao artista. Nessa análise, mostra a estreita relação entre a emergência dessa temática e a voga primitivista das vanguardas européias. Demonstra que o encontro dos artistas latino-americanos com essa questão se dá através de seu contato com os movimentos europeus no início do século XX.  A reação ao industrialismo e à ideologia do progresso conduz a esse encontro. A busca de uma identidade nacional também orienta essa postura. Mas, para alguns, a temática negra significa exotismo, liberdade, hedonismo; para outros, como Segall, é uma via para reflexão de temas que já eram presentes na sua produção européia e que no Brasil ganham um novo contexto: a tragédia humana, a exclusão, a solidão e a pobreza.

Vuelva a la sinopsis en español
Comentarios críticos

Los comentarios críticos de este documento serán subidos próximamente.

Leia este comentário crítico em português
Comentarios críticos

Nesse texto escrito para o catálogo da exposição Lasar Segall: un expresionista brasileño (Museu Lasar Segall, MALBA e Museu de Arte Moderno, 2002), com curadoria de Vera d'Horta, Jorge Schwartz faz um estudo comparado da presença da temática negra na arte e literatura americana, em que comenta as obras de autores como Raul Bopp, Jorge de Lima e Manuel Bandeira, e artistas como Xul Solar, Torres Garcia e Pedro Figari, entre outros. Procura demonstrar que a aproximação com essa temática está ligada ao contato com as vanguardas européias, e não uma "descoberta" espontânea, descurada de um contexto artístico de elaboração. Encontra elos entre os projetos plásticos que incorporam o afroamericanismo como temática, mas também procura distinguir o viés de aproximação de Segall ao tema, distante da perspectiva exótica e hedonista de Di Cavalcanti, por exemplo. Em Segall, a sensibilidade melancólica e engajada em temas sociais, como miséria, solidão e sofrimento humano, aproxima a figura do negro à do judeu, temática de suas primeiras obras ainda no contexto expressionista europeu. Schwartz procura também traçar a herança dessa sensibilidade, estabelecendo conexões com a poética de Vinícius de Moraes e Helio Oiticica. A visão de uma América Latina e um Brasil exuberantes, novos, plenos de potencialidades é substituída pela reflexão sobre seu lugar periférico e sua precariedade. O olhar de Schwartz identifica assim na obra do pintor modernista questões candentes da crítica de arte latino-americana dos anos 2000.
Ver também:
FABBRIS, Annateresa. Duas cartografias da América Latina: Joaquim Torres Garcia e Anna Bella Geiger. in: BULHÕES, Maria Amélia e KERN, Maria Lúcia Bastos (Orgs.). América Latina: territorialidades e práticas artísticas. Porto Alegre: Editora da Ufrgs, 2002.

a- Imagens poéticas do latino-americanismo

Vuelva al comentario crítico en español
Investigador
Equipe Brasil: José Augusto Ribeiro, Fernanda Pitta
Equipo
FAPESP, São Paulo, Brasil
Localización
Acervo Pessoal Jorge Schwartz