Documents of 20th-century Latin American and Latino Art

www.mfah.org Home

IcaadocsArchive

Document first page thumbnail
Resumen

El resumen de este documento será subido próximamente.

Leia esta sinopse em português
Resumen

O autor sustenta que todo fato cultural está apoiado em uma técnica e, a partir desse enunciado, traça de modo conciso uma trajetória dos conceitos que envolvem a produção imagética, especialmente a imagem técnica (tipografia, gravura, fotografia, cinema e artes gráficas) e a imagem tecnológica (computação gráfica, infografia, holografia, videografia). Afirma que, na produção imagética com tecnologia, as antigas técnicas artesanais e industriais são transcodificadas, pois é o cérebro e o pensamento que permitem a criação de imagens em interface com o que denomina de quarto cérebro, ou seja, o equipamento tecnológico que está fora da caixa craniana. Produzir formas icônicas significaria, antes de mais nada, uma reflexão sobre as próprias estruturas dos meios. O autor conclui que a imagem tecnológica, de cunho digital, seria uma reviravolta na história da imagem. Da mesma forma que a fotografia deslocou a pintura e obrigou-a a encontrar seus limites de linguagem, a era pós-fotográfica eletrônica já estaria reformulando as imagens da arte, do cinema, da fotografia e da televisão.

Vuelva a la sinopsis en español
Comentarios críticos

Los comentarios críticos de este documento serán subidos próximamente.

Leia este comentário crítico em português
Comentarios críticos

Originalmente escrito para a revista "Imagens", o texto foi posteriormente retomado e ampliado pelo autor no livro "Processos Criativos com os Meios Eletrônicos". O artista multimeios, poeta, teórico e professor Julio Plaza (Madri, Espanha 1938 - São Paulo SP 2003) é indissociável dos primórdios e da consolidação da arte tecnológica no Brasil, seja como artista/criador, seja como pensador e teórico, seja como organizador de mostras multimeios. Entre 1968 e 1975, juntamente com Augusto de Campos, realizou "Poemóbiles" e "Caixa Preta", poesias transformadas em objetos impressos tridimensionais. Nos anos 1980, organizou para o Museu da Imagem e do Som e Bienal de São Paulo mostras inaugurais do uso da telemática nas artes no Brasil. Plaza também criou obras importantes em holografia e motivou outros artistas a fazê-lo. Todo seu trabalho está ligado à tradução intersemiótica, ou seja, à transposição para novos mídia de peças literárias ou mesmo visuais, mantendo a estrutura e modo de funcionamento da obra original. Plaza foi professor do curso de pós-graduação em Multimeios do Instituto de Artes da Unicamp e professor da Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (ECA-USP).

 

Ver também:

MACHADO, Arlindo. PLAZA, Julio. Artecnologia. São Paulo: Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo (MAC-USP), 1985. Catálogo de exposição.

 

k- Escritos e linguagem dos artistas conceituais. Poema objeto. Livros de Artista.

l- Arte e tecnologia digital. Poéticas digitais

Vuelva al comentario crítico en español
Investigador
Equipe Brasil: Angelica de Moraes
Equipo
FAPESP, São Paulo, Brasil
Localización
Serviço de Biblioteca e Documentação ECA/USP